• Jorginho pede "sangue nos olhos", mas sem afobação

    O time de Campinas faz primeira partida nesta quarta

    Atualizado em 04/12/2013 - 17:16

    Jorginho pede

    O comandante Jorginho considera a garra um fator essencial para a Ponte Preta superar o Lanús na decisão da Copa Sul-americana. Porém, o treinador toma muito cuidado para evitar euforia do seu time nesta quarta-feira (4), no Pacaembu.

    "Precisamos entrar com sangue nos olhos, mas com equilíbrio emocional. O Lanús joga firme, duro e é veloz, mas não é uma equipe violenta. Sabemos qual é o estilo argentino e estaremos ligados", afirmou.

    Já com o time rebaixado à série B do Campeonato Brasileiro, Jorginho está entusiasmado com a chance de conquistar o primeiro título de expressão da história da Macaca. O técnico insiste emdizer ao elenco que esta é uma grande oportunidade não só para a Ponte mas para cada um do grupo.

    "Nosso trabalho foi bem feito na Sul-americana, mas, daqui a 30 anos, ninguém vai se lembrar de que fomos finalistas se não formos campeões. É importante marcarmos nosso nome na história, até mesmo porque a torcida da Ponte nunca viu o time campeão", acrescentou. Como o adversário Lanús está muito bem no Campeonato Argentino, Jorginho quer sua equipe com mais disposição nesta final da Sul-americana.

    "É o que nos resta, é nossa vida e nosso prato de comida. Eles já foram campeões argentinos e conquistaram algumas coisas, mas nós, não. Fomos rebaixados, enquanto eles têm chances de ser campeões lá", completou.



    Veja mais notícias sobre o Ponte Preta >