• Valdivia se garante fisicamente e culpa Kleina por não jogar 90 minutos

    O chileno ficou mais de 100 dias sem entrar em campo

    Atualizado em 01/11/2013 - 11:50

    De todos os 62 jogos do Palmeiras no ano, Valdivia só atuou em 24, jogando integralmente apenas em oito deles. O chileno culpa o reinador Gilson Kleina por não ter atuado em mais jogos. O técnico já disse que o jogador mais caro do elenco não é alguém com quem se deve contar em todas as partidas, e o meia rebate garantindo estar bem fisicamente.

     

    "O Gilson me poupou só uma vez. E faz tempo que estou podendo jogar 90 minutos. Se o treinador me tira com 70, 80 minutos, vou fazer o quê? Não vou brigar com o treinador dentro de campo", disse o camisa 10, assegurando até sua vontade de não ser substituído.

     

    "Desejo, quero e posso jogar 90 minutos. Mas, infelizmente, tem um treinador, um comandante que escolhe a melhor opção no jogo e me tira. Joguei na seleção por 90 minutos e aqui também no sábado. Não tem essa de que só posso atuar em um ou outro jogo", continuou o atleta.

     

    Durante a lesão na coxa direita que impediu Valdivia de jogar por mais de 100 dias no primeiro semestre, Kleina avisou que dificilmente o chileno poderia atuar duas vezes por semana. Mas o usou com frequência desde julho, como lembrou o próprio meio-campista.

     

    "Em uma das últimas vezes que me machuquei, treinei dois ou três dias, sendo um deles com rachão, para voltar contra o Ceará em Fortaleza, em um calor absurdo. Era para jogar 20 minutos, mas fui titular e joguei sem problemas", argumentou. "Fisicamente já estou bem há um tempo. Às vezes não jogo 90 minutos porque tem um treinador que decide quando você joga, bola parada, pênalti, e temos que respeitar."

     

    Apesar de repassar a culpa ao treinador, Kleina sempre disse que respeitaria todas as decisões de seus colegas de comissão técnica, incluindo médicos, para esperar a liberação de Valdivia em sua plenitude física. Tanto que deixou o caro jogador fora dos jogos contra o Atlético-PR na Copa do Brasil, por exemplo. Essa ajuda, ao menos, o chileno agradece.

     

    "Antigamente, toda vez que eu me machucava, voltava dez dias ou uma semana antes do que via, acelerava o processo. Quando se acelera, o risco é grande de voltar a ter esse incômodo. Toda vez que me machuquei neste ano, tive o tempo que o departamento médico achou necessário para voltar bem. E o Gilson também fez com que esse tempo fosse respeitado, foi um pouco de tudo", falou Valdivia.

     

    (Fonte/Foto: Placar)



    Veja mais notícias sobre o Palmeiras >